Insights

Novidades do sector da comunicação e tecnologia

Autoridades portuguesas apreendem medicamentos ilegais vendidos online

28/06/2013

Perto de 10 milhões de unidades de medicamentos falsificados, sobretudo destinados ao tratamento da disfunção eréctil e emagrecimento, (...)
Perto de 10 milhões de unidades de medicamentos falsificados, sobretudo destinados ao tratamento da disfunção eréctil e emagrecimento, foram apreendidos numa operação coordenada a nível internacional.A operação internacional envolveu a Autoridade Tributária e Aduaneira e o Infarmed e levou à apreensão de 40 encomendas em Portugal, travando a entrada de 13.600 unidades de medicamentos ilegais, com um valor estimado de cerca de 55.000 euros, comunicaram as autoridades. As autoridades têm levado a cabo outras operações de fiscalização nesta área, alertando que os portugueses continuam a comprometer gravemente a sua saúde ao adquirirem medicamentos pela internet em websites não autorizados. A nível global a campanha foi coordenada pela Interpol e decorreu entre 18 e 25 de junho, associando cerca de 100 países e levando à detenção de 58 indivíduos. Foram apreendidos quase 10 milhões de medicamentos falsificados, potencialmente letais, com um valor estimado de 31,5 milhões de euros. Esta é a sexta edição da operação internacional que pretende combater a venda de medicamentos ilegais através de sites na Internet, depois de vários avisos sobre os perigos para a saúde na aquisição destes fármacos online. Segundo os dados, a maioria das encomendas apreendidas durante a operação em Portugal continha medicamentos destinados ao tratamento da disfunção eréctil e emagrecimento. As autoridades lembram que a compra de medicamentos fora dos canais licenciados e controlados pelo Infarmed, nomeadamente através da Internet, faz com que os consumidores correr riscos graves e desnecessários. A falsificação, composição alterada, prazos ultrapassados e transporte sem as precauções devidas estão entre os problemas identificados. O Infarmed recorda que só podem vender medicamentos no domicílio as farmácias e os estabelecimentos de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica registados junto desta entidade pra esse efeito, e que o facto de um site estar sediado em Portugal ou ser escrito em português não significa que esteja autorizado. No ano passado o Infarmed criou um site especificamente para que os consumidores possam denunciar reações registadas a medicamentos. Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico Perto de 10 milhões de unidades de medicamentos falsificados, sobretudo destinados ao tratamento da disfunção eréctil e emagrecimento, foram apreendidos numa operação coordenada a nível internacional.A operação internacional envolveu a Autoridade Tributária e Aduaneira e o Infarmed e levou à apreensão de 40 encomendas em Portugal, travando a entrada de 13.600 unidades de medicamentos ilegais, com um valor estimado de cerca de 55.000 euros, comunicaram as autoridades. As autoridades têm levado a cabo outras operações de fiscalização nesta área, alertando que os portugueses continuam a comprometer gravemente a sua saúde ao adquirirem medicamentos pela internet em websites não autorizados. A nível global a campanha foi coordenada pela Interpol e decorreu entre 18 e 25 de junho, associando cerca de 100 países e levando à detenção de 58 indivíduos. Foram apreendidos quase 10 milhões de medicamentos falsificados, potencialmente letais, com um valor estimado de 31,5 milhões de euros. Esta é a sexta edição da operação internacional que pretende combater a venda de medicamentos ilegais através de sites na Internet, depois de vários avisos sobre os perigos para a saúde na aquisição destes fármacos online. Segundo os dados, a maioria das encomendas apreendidas durante a operação em Portugal continha medicamentos destinados ao tratamento da disfunção eréctil e emagrecimento. As autoridades lembram que a compra de medicamentos fora dos canais licenciados e controlados pelo Infarmed, nomeadamente através da Internet, faz com que os consumidores correr riscos graves e desnecessários. A falsificação, composição alterada, prazos ultrapassados e transporte sem as precauções devidas estão entre os problemas identificados. O Infarmed recorda que só podem vender medicamentos no domicílio as farmácias e os estabelecimentos de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica registados junto desta entidade pra esse efeito, e que o facto de um site estar sediado em Portugal ou ser escrito em português não significa que esteja autorizado. No ano passado o Infarmed criou um site especificamente para que os consumidores possam denunciar reações registadas a medicamentos. Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
medicamentosonlineautoridadesmilhõesilegaisunidadesfalsificadosdestinadostratamentodisfunção

Necessita de um sistema de email profissional na Cloud?

Adira já ao Google G Suite

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

medicamentos

junho

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro