Insights

Novidades do sector da comunicação e tecnologia

Deputados debatem desafios da Sociedade da Informação

26/06/2013

Decorreu ontem mais um debate promovido pela APDSI com os partidos políticos. As estratégias para a Sociedade de Informação dominaram (...)
Decorreu ontem mais um debate promovido pela APDSI com os partidos políticos. As estratégias para a Sociedade de Informação dominaram a discussão.Com mais perguntas que respostas, a iniciativa da Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação juntou os vários partidos com assento parlamentar e serviu para abordar um conjunto de temas que preocupam os partidos e uma audiência composta por representantes da indústria, dirigentes da administração pública e associações. Os benefícios das Tecnologias de Informação foram reconhecidos e sublinhados pelos vários intervenientes, mas teve também destaque a necessidade de encontrar respostas para usar estas ferramentas ao serviço do desenvolvimento económico e não apenas para gerar lucro nas organizações. O ensino das TIC nas escolas e a preparação dos alunos para um futuro que será moldado pelo uso das tecnologias foi outro tema com espaço para debate, trazido à discussão por um represente da Associação de Professores de Informática, presente no debate. Estender o ensino de TIC nas escolas e introduzir a programação são caminhos indispensáveis na preparação do país para assumir um papel forte enquanto “produtor de tecnologia”, defendeu o professor, numa visão que teve o acolhimento de deputados como Nuno Encarnação, do PSD. Tópicos que também estiveram em destaque no debate foram os do software livre e da interoperabilidade (formatos abertos para documentos), matérias que têm sido alvo de projetos-lei do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista Português e que progressivamente têm sido alvo de legislação adotada na Administração Pública, ainda que lentamente. Como referiu Tiago Cruz, do grupo parlamentar do BE, dados recentes revelam que apenas 4% do Estado usa software livre. Ambas as matérias foram consideradas pelos representantes dos partidos mais à esquerda como passos importantes na evolução da informação digital no Estado. Na mesma linha, Bruno Dias, do PCP, destacou a neutralidade da Internet, um tema que também é alvo de uma iniciativa legislativa do partido e que é encarado na mesma lógica de abertura da Internet e da circulação livre da informação que os primeiros. Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico Decorreu ontem mais um debate promovido pela APDSI com os partidos políticos. As estratégias para a Sociedade de Informação dominaram a discussão.Com mais perguntas que respostas, a iniciativa da Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação juntou os vários partidos com assento parlamentar e serviu para abordar um conjunto de temas que preocupam os partidos e uma audiência composta por representantes da indústria, dirigentes da administração pública e associações. Os benefícios das Tecnologias de Informação foram reconhecidos e sublinhados pelos vários intervenientes, mas teve também destaque a necessidade de encontrar respostas para usar estas ferramentas ao serviço do desenvolvimento económico e não apenas para gerar lucro nas organizações. O ensino das TIC nas escolas e a preparação dos alunos para um futuro que será moldado pelo uso das tecnologias foi outro tema com espaço para debate, trazido à discussão por um represente da Associação de Professores de Informática, presente no debate. Estender o ensino de TIC nas escolas e introduzir a programação são caminhos indispensáveis na preparação do país para assumir um papel forte enquanto “produtor de tecnologia”, defendeu o professor, numa visão que teve o acolhimento de deputados como Nuno Encarnação, do PSD. Tópicos que também estiveram em destaque no debate foram os do software livre e da interoperabilidade (formatos abertos para documentos), matérias que têm sido alvo de projetos-lei do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista Português e que progressivamente têm sido alvo de legislação adotada na Administração Pública, ainda que lentamente. Como referiu Tiago Cruz, do grupo parlamentar do BE, dados recentes revelam que apenas 4% do Estado usa software livre. Ambas as matérias foram consideradas pelos representantes dos partidos mais à esquerda como passos importantes na evolução da informação digital no Estado. Na mesma linha, Bruno Dias, do PCP, destacou a neutralidade da Internet, um tema que também é alvo de uma iniciativa legislativa do partido e que é encarado na mesma lógica de abertura da Internet e da circulação livre da informação que os primeiros. Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico
informaçãosociedadedebatepartidosdeputadosdecorreuontempromovido

Possui uma loja online e não está a conseguir vender o seu produto como desejaria?

Conheça o nosso método

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro

junho

informação

novembro

março

janeiro

abril

fevereiro

julho

agosto

setembro